A Eletrocondutividade e PH nos cultivos | Mega Grow - Cultivo Indoor e Outdoor

A Eletrocondutividade e PH nos cultivos

Publicado: 18/01/2018

O que é a EC e PH?

Neste artigo vamos nos centrar em explicar o conceito da EC e PH nos cultivos em terra e hidropônicos. Explicaremos a importância do PH e EC para obter os melhores resultados em nossos cultivos.

A Eletrocondutividade ou EC nos cultivos

A Eletrocondutividade ou EC nos cultivos

O que é a EC ou eletrocondutividade?

Neste artigo vamos nos centrar em explicar o conceito da EC ou eletrocondutividade nos cultivos em terra e hidropônicos. Explicaremos a importância da EC para obter os melhores resultados em nossos cultivos.

A EC é a capacidade que tem um liquido para transportar a eletricidade. A água, meio pelo qual as plantas se nutrem contem minerais dissolvidos, bem chamadas dissoluções aquosas. Estas dissoluções aquosas podem ter mais ou menos elementos minerais (sais) que influirão diretamente nos níveis da EC.

Não toda a água é condutora. A água destilada tem uma EC zero o que significa que não será condutora da eletricidade. Para fazer que esta água seja condutora deveremos aportar sais minerais e realizar uma dissolução. Estes sais às aportaremos na forma de adubos biológicos ou minerais.

Existem os filtros de osmoses que deixam a água limpa de impurezas, de modo que se obtém uma água resultante com EC zero. Estes aparelhos são usados pelos cultivadores que na sua região tem uma água com uma EC inicial alta, de mais de 0.6 ms/cm (milisiemens por cm) e utilizam uma mistura de ambas para obter uma EC inicial de 0.4 ms/cm. Também é possível adequar nossa água tratada com micronutrientes de cálcio e magnésio com uma dosagem de uma parte de magnésio por dois de cálcio de EC 0.0 ate 0.4 ms/cm. A partir deste ponto adicionaremos os adubos ate conseguir a EC desejada dependendo a etapa do cultivo.

O que é o PH?

O pH é a medida utilizada para conhecer e determinar o nível de acidez ou alcalinidade de uma dissolução mediante o calculo da concentração do íon de hidrogênio positivo (H+). Este termo foi criado para facilitar seu uso, pois para calcular o potencial hidrogênio (pH) sê faz mediante logaritmo negativo em base 10 tendo em conta a atividade dos íons de hidrogênio.

Formula do potencial de hidrogênio:

PH= -Log 10 (H+)

A escala ou variação do pH se divide em 14 pontos, o pH 7.0 se considera como pH neutro, acima de 7.0 e até 14.0 o pH será alcalino e acido de 0.0 a 7.0. Cabe destacar que o ph neutro da pele humana é de 5.5, tal e como podemos ver nos géis e xampu de banho.

A influencia do PH no cultivo das plantas

As plantas assim como as pessoas têm flutuações de pH dentro de seu metabolismo e dependendo da estabilidade do pH e as variações deste no corpo terá uma maior ou menor metabolização de todos os elementos necessários para seguir com seu ciclo vital. Dependendo do ph interno das plantas estas terá uma melhor a pior saúde sendo mais vulneráveis aos ataques de fungos, vírus e pragas.

Nas plantas para floricultura como na horticultura poderemos definir o ph como um registro da entrada de nutrientes que as plantas poderão utilizar para nutrir-se.

O pH varia dependendo do substrato que fôramos usar, se vamos cultivar em terra e com adubos orgânicos poderemos optar por ter um controle menos exaustivo do pH que no caso dos adubos minerais. Há composições de substratos que não são adequadas para o cultivo de diferentes tipos de culturas tanto no nível de retenção de nutrientes como na estabilidade do pH.

O PH nos Cultivos Orgânicos

Na terra encontrasse fatores que ajudam a controlar e manter o pH estável, este conjunto de fatores causa o chamado efeito tampão. Este efeito tampão nos ajudara a manter as raízes protegidas com um pH que variara entre uma variação mínimo e uma máxima ainda que ambos extremos sejam adequados para o cultivo orgânico. Se medirmos o pH do substrato diretamente e observaremos uma variação do pH ao medir este em diferentes lugares do vaso isto é devido a que a terra esta composta de muitos elementos e não se encontram dispersados equitativamente.

O efeito tampão num substrato orgânico o produz à microvida (bactérias e fungos) e demais componentes do substrato que ajudam a controlar as flutuações de pH mantendo este num nível ótimo durante todo seu cultivo sem necessidade de utilizar bases acidas que destroem a microvida benéfica para as plantas.

Este fator variável é normal já que a terra conte dependo de sua composição mais ou menos concentrações de nutrientes que também ajudam a regular para cima ou para baixo o pH. Naqueles casos em que se utilize um substrato sem nutrientes como, por exemplo, o coco, o ph será mais instável. Para ajudar a controlar as flutuações de pH poderemos nos ajudar dos adubos e de um redutor o aumentador de pH criando um efeito tampão artificialmente.

Temos que matizar, que naqueles casos nos que a água utilizada para realizar as irrigações contenha um pH muito alcalino ou muito acido este devera regular-se. Regularemos este a poder ser com ácidos de caráter orgânico já seja acido cítrico para reduzir ou mediante o silício para aumentar o pH.

Há que ter em conta que a vida bacteriana do substrato pode verse afeitada por suas variações, pois cada bactéria tem seu parâmetro ótimo de pH para se desenvolver. Assim, pois uma boa água para o cultivo em terra será aquela que contenha um ph entre 6.5 e 7.5.

No caso de cultivar utilizando adubos minerais deveremos ter mais cautela no controle do ph da solução nutritiva. Os adubos minerais vêm apresentados em forma quelatada de modo que serão de rápida absorção por parte das plantas no sendo necessário processar os nutrientes por parte da microvida para que a planta poda absorver todos os nutrientes que precise.

No caso do cultivo em terra poderemos utilizar uma variação de pH que pode diferir entre o 6.0 e 7.0 dependendo da etapa em que o cultivo se encontre e das necessidades nutritivas.

A influencia do PH nos Cultivos Hidropônicos

Nos cultivos hidropônicos o pH é um fator tão importante a ter em conta como é a dosagem dos adubos. Neste caso deve ficar claro que o pH devera estar adequado a cada etapa da vida da planta para que poda nutrir-se adequadamente em cada irrigação que realizemos.

No período de crescimento podemos utilizar um pH de 5.5 para plantas ou estacas pequenas e ir aumentando gradualmente este valor até um pH 5.8. Em quanto se entra no período de floração podemos variar o pH num 5.9 durante as duas semanas que dura a pré-floração na qual as plantas poderão absorver parte do nitrogênio e parte do P-K (Fósforo e Potássio) junto aos demais micronutrientes. Deste modo a planta poderá dispor de todos os nutrientes necessários para um inicio de floração abundante e sem carências.

Durante o período de floração deveremos utilizar um ph que poderemos fazer flutuar entre um 6.0 e 6.2 para a melhor absorção dos nutrientes. Afinal das ultimas semanas de floração poderemos aumentar um par de pontos o pH até 6.4.

Esta flutuação do ph a realizaremos naqueles casos em que a EC (eletrocondutividade) de drenagem seja alta, as plantas estejam carregadas de nutrientes e fique poucos dias para realizar a colheita havendo esquecido realizar um lavado de raízes ou uma manutenção da EC de drenagem.

Quando se descompensa o pH as plantas em geral adquirem menos nutrientes limitando sua alimentação e provocando a sua vez que percam grande parte das reservas nutritivas que ficam depositadas nas folhas maiores das plantas.

Cabe deixar claro que o pH descompensado durante o cultivo não é uma boa opção já que teremos carências nutricionais, obtendo colheitas desastrosas.

Desequilíbrio do PH no substrato

Em todos os substratos que cultivemos podemos encontrar-nos com uns níveis de pH demasiado altos ou baixos. Nestes casos o problema inicial vem precedido da composição da terra de modo que teremos duas opções.

A primeira delas é a mais simples, pois o único que devemos fazer é comprar uma terra de qualidade na qual encontraremos uma composição adequada de elementos e nutrientes que farão desta uma terra de cultivo com um pH adequado de 6.5.

A segunda das opções é adequar à terra que temos misturando esta com outros substratos para adequá-la ao cultivo de nossa cultura. Neste caso em primeiro lugar deveríamos saber a composição da terra base que usemos na mistura.

Deveremos criar um substrato que seja esponjoso, de qualidade, com nutrientes, de fácil drenagem para que as plantas estejam num meio de cultivo perfeito onde possam crescer e florescer com força. Se o subtrato não é o adequado para nossa cultura por muitos esforços e dinheiro que gastemos nos adubos não teremos sucesso.

Dependendo do tipo de substrato a utilizar, se a terra é de má qualidade, mais compacta do normal como no caso da argila (não é muito recomendável) poderemos adequá-la com coco, perlita em grandes quantidades junto a húmus de minhoca e adubo.

Cada tipo de substrato devera adequar-se bem tendo em conta a composição da terra base.

Medidores de PH

Para o controle do pH no cultivo poderemos ajudar-nos de uns aparelhos eletrônicos que medem o pH da solução nutritiva sabendo em todo momento qual é o pH que esta sendo utilizado nas irrigações.

Temos dois tipos de medidores de pH:

De medição continua ou fixos que servem para ter leituras de pH do reservatório podendo saber em todo momento em que estado encontra-se a solução nutritiva para fazer esta mais alcalina ou mais acida dependendo as necessidades do cultivo.

Estes medidores contínuos de pH tem a possibilidade de intercambiar a sonda de leitura para que quando esta esteja dando falhas ou medições erradas com altas variações podamos substituir estas por uma nova e assim realizar medidas precisas. Alem disso, estes aparelhos devem calibrar-se com uns líquidos com um pH estável. Esta manutenção se deve realizar quando o aparelho leve um tempo sem ser usado.

 

Fonte: Conosul


Voltar